Sinsaúde se manifesta contrário à portaria que reduz assistência aos pacientes renais

09/08/2018

O Sinsaúde Campinas e Região se posiciona totalmente contrário à Portaria 1675/2018, publicada pelo Ministério da Saúde (MS), e a Portaria de Consolidação nº 6/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para tratar sobre os critérios para a organização, funcionamento e financiamento do cuidado da pessoa com Doença Renal Crônica - no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

 

Na visão do sindicato, essa mudança no dimensionamento de profissionais, pode provocar sobrecarga de trabalho na enfermagem e prejudicar o tratamento dos pacientes. O documento do Ministério da Saúde, diminui o dimensionamento de Enfermagem Nefrológica no atendimento a pacientes em hemodiálise. Antes dessa portaria, o dimensionamento seguia a Resolução 543/2017 do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), que estabelece medidas para o dimensionamento do quadro de profissionais de Enfermagem.

 

Agora, com o documento do MS, serão 50 pacientes para 1 enfermeiro e 6 pacientes para 1 técnico de enfermagem. O Cofen já se manifestou contrário à portaria e através da sua procuradoria geral, já analisa qual ação deverá ser adotada para pedir a impugnação da portaria.

 

O parecer técnico, emitido pela doutora em nefrologia, Edwa Maria Bucuvic, argumenta que a medida pode trazer prejuízos imensuráveis aos pacientes submetidos à hemodiálise – procedimento complexo que exige diversos cuidados no tratamento dos pacientes considerados em estado grave, segundo a especialista na área.

 

Sofia Rodrigues, vice-presidente do Sinsaúde, concorda que a proporção de profissionais estabelecida pela portaria atual é uma ação que pode trazer prejuízos graves à assistência, por ser comum pacientes apresentarem complicações no decorrer da sessão de hemodiálise.


Com informações do Cofen

[ FECHAR ]
[ FECHAR ]

GALERIA MULTIMÍDIA

VER TUDO

instagram

youtube